Loading...

sábado, 4 de novembro de 2017

Devia

Devo ,
 não nego.
 Pago,
 enquanto puder.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Agora

Lá fora ,
não há "lá fora"
E aqui,
Também não.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

O amigo enganador

Eu te engano, ás vezes.
Mas, não como os que se enganam.
Que pensam que, de todo, te podem enganar.
Sei que um dia não mais se enganarás.
E já conheço essa parte tua.
Não és todo enganável
E então para mim olharás e verás que
                                               não me enganei.
Nesse dia verás que és igual a mim.
E não mais poderás ser assim
Enganado por ninguém.
Nem por mim, nem por você.
 E se você for tão bom quanto eu.
Nunca mais se crerá enganador de todo.
Mas saberá:
-Na verdade, eu nunca enganei ninguém,
 Nem, de todo, a ninguém enganarei ,
Mas só um pouco,
Como meu amigo fez comigo.

 Para que por um tempo
 Pare de se enganar.
 Para que descubra o seu e o meu engano.
Não digo
Que não mais me enganarei,
Ou a você.
Ou, da mesma forma,
 Que você não mais se engará.
Mas que, dessa forma
Quando nos enganarmos,
Nos enganaremos juntos.
E saberemos quando.
Diminuindo a extensão
 E o limite de ação do engano
A nós mesmos.
Enquanto devagar
Aumentamos seu alcance
Pelo seu conhecimento
De nós mesmos
Através de nosso maior engano
O de chamarmos ao enganador
Amigo.

Para você, que é meu melhor amigo
                       e meu maior  enganador:
                           Eu.

sábado, 21 de outubro de 2017

Inverno musical dos harmônicos

As pessoas entristecem no frio.
 As cigarras dormem,
E, enquanto isso, ressonam
 Músicas inaudíveis .
Senão, àquilo que nos adoece
                                         a todos.

Logo ali.

-Vem  vamos passear por  aqueles prédios velhos.
-Ainda estão abertos?Parece tudo tão quieto.
-É feriado, ninguém está entrando ou saindo. Acho que podemos passear por lá. A maioria dos prédios fica vazia a maior parte do tempo.
Caminhamos de mãos dadas, algo me pesa nas mãos, como que aumentando o silêncio quando passamos pelas esquinas. As quadras são enormes, e penso em quantas pessoas poderiam estar morando ali ao mesmo tempo. No porquê de tantos prédios vazios.
Alguém passa gritando por nós, mas para ela é como se não fosse ninguém. Ele lê meus pensamentos, meus desejos secretos e vontades satisfeitas. Grita qualquer coisa em uma língua totalmente fundida com o ambiente e meu próprio idioma:
-A festa é mais tarde.  Não temos sequer haxixe. Vá fumar isso mais pra lá...
Paramos em frente a um monumento , é sobre um acontecimento importante. Pessoas que falavam a verdade, aumentavam o orgulho dos nativos contra os exploradores. Mas está no tempo errado, então não vemos sua glória, nem mesmo sua mensagem mais forte. Nos vamos.
A reunião da noite ficou perdida no tempo. O porque estávamos tão bem vestidos. Que energia nos havia levado de volta a frente daqueles prédios, agora fechados e com menos luz pelo lado de fora dos seus muros. Caminhamos por onde havia o vazio, e suas fundações estão agora expostas, os portais formados pelos caminhos do futuro, ainda não encobertos pela tecnologia e a força bruta, nos servem como caminho improvável ao desconhecido. Nos encostamos numa parede, tudo parece como uma teia de renda negra e cortinas de veludo cor de vinho que exalam o perfume das noites primaveris. O peso que eu tinha nas mãos está agora em qualquer lugar no solo. E nós estamos bebendo. Passamos o cálice. Da minhas mãos para as dela, das suas para as minhas.
Seus cabelos com o vento vem até minha boca. Puxo um deles com os dentes. São tão grossos, tão naturais. Seu sorriso invade meu olhar e minha mente. Nada mais importa naquele momento, mas fazê-la continuar sorrindo. Fico olhando para seus cabelos como um idiota, enquanto ela se levanta de onde estávamos recostados, e meio assentada arruma suas roupas e rendas. Queremos permanecer ali para sempre. Mas estamos do lado de fora. E está tudo fechado. Por causa da hora , sentimos aquele medo tão comum. O medo de não poder entrar. O medo que que alguém saia gritando e não tenhamos como compreender sua jornada. Será que correríamos em sua direção, para ajudar ? Ou na direção contrária , para nos salvar da sua visão, meramente? A escuridão finalmente nos toma e ouvimos o assovio, o grito, o silêncio, ouvimos os passos  e alguém que grita com autoridade. Tememos, mas enfrentando o perigo, pego o peso que estava no chão, e corremos rindo e gritando vivas e maldições, agora sobre nossos fortes e jovens pés descalços, ou calçados. Rimos do perigo e da morte. Da política e da fé. Rimos.
AHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHahAHaha! -Rimos em dueto.
Nos abraçamos e continuamos nossa própria jornada rumo ao amanhecer solitário. Sabemos que o tempo nos separará, mas não sabemos quando ou quanto. Apenas damos as mão e continuamos sorrindo. Sorrindo e chorando, pela cidade ao redor.
Fim.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Doutos e fossos

Querem os doutos da história,
Desconhecendo os fossos dos edifícios...

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Quando atrasa.

Quando o tempo se atrasa,
                para que não o veja,
Eu sempre vou até aquele pé de cereja.
Longe na minha cabeça
Único lugar onde cabe todo mundo.
Meu coração tão cheio de amor a tudo.
Que eu fiquei de fora e caí no meu próprio fígado e baço.
Os pés que para lugar nenhum caminham.
Sim, eu sei que já me confessei sobre isso.
Reclamando do brilho dourado da minha pele.
E do azul precoce dos meus olhos.
(É para esconder o ouro banhado a prata.
(E sim eu sei que isso já veio ao contrário)
Colher de prata não adianta ser banho.
Mas surpreende quando é de alumínio e platina.
Viu? Passou de novo.
Onde terá ido parar aquele socador do pilão de bronze?
E meu anel? Onde coloquei meu anel?
O relógio? A caneta tinteiro?
Isso! Tudo está perdendo a utilidade.
Há melhores escultores, agora.
Imprimem, em três dimensões, perfeiçoes horríveis.
Terríveis verdades para todos.
A obsolescência da pena.
O descaber da palavra.
A falência do segredo, escondido na música que se repete.
Nada mais é senão jabá.
A carne de cavalo seca e salgada,
 Para prevenir a fome dos sem coração.
Você vai comer isso?
Você não era vegano sexual?
Minhas unhas.
Minhas unhas nunca estariam tão feias, listradas...
Meus dedos nunca estariam assim,
Tão magros, e com calos sobre os calos.
E o tempo, que não passa.
Ainda por cima, aumentado de uma hora.
E essa hora?
5:11 horas de dez , de dezoito.
 (Mês invertido. E o ano não digo agora, por convenção anti-convenção. Nasci ás 18:30, foi o que disseram.)
Se o tempo do mundo dos sonhos é inicialmente metade do tempo acordado, e progressivamente se desacelera enquanto nos encaminhamos para camadas internas do mesmo.
 Estarei eu flutuando, sem me mover, em um lugar onde tudo parou?
Como será que está o tempo lá fora?
 Não , vocês não querem saber como está o tempo aqui dentro.
 Como é longa e inútil, a espera.
 Como é quente, neste frio sem sentido.
Nessa estrela morta para ser mais que duas.
 Esse gelo mármore, liso de se patinar
                             e onde nada se move , muito, mais lentamente, que tudo que você possa imaginar.
 E passa aquele rapaz gargalhando tão alto, com todos o levando sobre os ombros.
 Ele acha que está voando sobre eles, ou que está voando sozinho,
 Mas, ele olha para o alto e se vê entrar na janela do prédio vizinho, puxado por um fio de cabelo dourado.
 Como é possível? Ele errou de prédio? De entrada?
 Será que fui eu quem errei, e também todos estes que gritam meu júbilo?
 Não. Tudo está no seu lugar.
 Os dois castelos são meus.
 Apenas, que estou em dois lugares,
 E vejo que em um dos lados as sombras são mais escuras.
 As janelas continuam sendo de onde vem a luz mais forte.
 E tem a mesma cor dos dois lados.
 Transparente, como a verdade.
 Foi tudo consumado num tempo sem tempo.
Por isso, tudo tão lento.
Parado.
Engarrafado.
Devagar demais.
Aí.