Loading...

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Continue olhando (ou O Homem Alto, ou As Memórias de Um Homem de Lugar Nenhum)

  Em minha adolescência considerava Pierre, meu melhor amigo. A gente fazia uma dupla de Juba e Lula, personagens de seriado adolescente de TV da época. Saíamos pra arrumar namoradas e beber. E mais pra frente com roipinol, que era uma maneira de pirar trash, pra adolescente.  Mas era o que tinha. Não tinha ainda experimentado a plantinha.
O Pierre era de Umbanda, e eu era o revoltado evangélico, que ia na igreja obrigado no domingo.
 Um dia ele até me deu um recado do zé pelintra: que eu saísse da esquina ou da igreja, que era pra escolher.
 Eu não conhecia outras crenças , senão bíblia e contos de terror urbano-rurais, de São Gonçalo, RJ, onde nasci, e de Pindamonhangaba, SP onde fui criado. O Pierre me contava histórias da Umbanda e tabém da roça de São Gonçalo. E eu achava muito legal, mas tinha que ir na igreja evangélica senão apanhava. E também  gostava de cantar, e do monte de meninas que tinha. da cantina pra comer salgadinho. Não queria largar a igreja.
 A galera da rua era hostil, por eu ter sotaque de paulista, e de caipira ainda. Do interioRRR.
 Na igreja me tratavam como irmão e não me chamavam de paulista.
   Era chato ser gonçalense e ser chamado de paulista. Parecia que eu não era de lugar nenhum, pois lá em Pinda eu era carioca(!), por ter nascido no estado do Rio.
 Mas, lá ou aqui, na igreja não usavam apelidos, e eu gostava, na época, de ser chamado de Junior, como minha família fazia. Me sentia parente de todo mundo, mesmo.
  Um dia estávamos conversando na esquina, depois de umas brejas.
  Eu tinha sido pego pixando com giz de cera, na igreja, e fui expulso, já que não era conhecido de quase ninguém, até que minha mãe fosse lá e explicasse que eu tinha família na região, e que eram de outra denominação mais antiga, de muitos anos, e tudo mais.
 Assim, por não mais ter a igreja pra ir, parecia que o zé pelintra tinha escolhido por mim, já que eu não fazia. Então estava na esquina, que era meu novo lugar. Bebendo cerveja e pinga, fumando cigarro e falando de mulheres e contos de aventuras, à la Juba e Lula (hô) .
  Lá pelas tantas da madruga o Pierre me sai com a história do homem alto. que lá pelas bandas de onde veio sua família, e não me perguntem o lugar, se eu soubesse , teria uma péssima propaganda agora. Não lembro se era, Laranjal, Cachoeiro, ou Manilha. Um desses lugares , longínquos e meio desertos, na época.
 O homem alto era aparentemente um homem normal. Numa noite em que você acordasse de madrugada, logo antes da meia noite, se você olhasse pela portinhola da porta da frente, que era o que existia antes do olho mágico, você veria em frente a sua casa um homem alto e bem vestido, ainda que com certa elegância, com roupas velhas para a época , e de chapéu. Feio, ainda que misterioso, e magnético. Magro, e do tipo que você, caso homem macho, não ficaria olhando, se não fosse o fato de ele estar bem na frente da sua casa, do outro lado da rua te encarando, com os olhos brilhando nas sombras da aba de seu chapéu. Sempre encostado no poste de luz, com os pés na touceira de mato, não era possível ver seus sapatos.
  A lenda conta que alguém ao passar pela portinhola da porta da sala, pensou ter visto uma mulher do outro lado da rua, voltou e olhou de novo, deparando com o homem.
Nesta situação, você pensaria em ir dormir, mas, como sempre faríamos também nós, numa situação dessas, olharia de novo pela portinhola, para ir dormir tranquilo. Mas batata. O homem alto estaria lá, imóvel, olhando pra você. E você já acharia muito estranho se isso tivesse acontecido uma vez só.
  E se caso continuasse olhando, enquanto pensa se vai pegar uma faca , um bacamarte, ou se vai sair pelos fundo pra procurar a policia, teria a leve impressão que ou ele estava mais perto , ou havia crescido um pouco , enquanto você não estava olhando.
 Nesse momento você pararia de olhar , duvidando do que estava pensando que via. Se aproximaria de novo, agora com um olho só e sem abrir a portinhola por completo, e constataria   inequivocavelmente, dessa vez , que os pés do sujeito não haviam se mexido. Ocultos pelo mato, estavam bem á direita do poste de luz, que você achava tão útil ter na frente da tua casa, mas que agora para observar o homem alto, te feria a vista. Deixando claro dessa maneira que ele não tinha se movido do outro lado da rua sem calçada e de terra, para o lado da sua casa.
 Mas também inequivocavelmente, pela altura da casa dos ricos do outro lado da rua, que tinha atrás de um belo muro de cimento, pichado e descascado, mas luxo e coisa rara, em lugares como aquele de cercas de arame farpado, e casas pobres, perceberia aterrorizado,  e saberia que aquilo não era humano como aparentava, e que tinha crescido ainda mais, esticando-se e deformando-se, estando já, em altura, ultrapassando o muro e quase tocando o fio do telefone , que ficava mais abaixo dos fios de tensão elétrica.
 Era agora um pequeno poste humano, ainda olhando fixamente, imóvel, encarando-o.
 Perceberia então, que já que ele crescia enquanto você não olhava, que teria que continuar olhando-o, suportando sua encarada, mesmo percebendo-se cansado, com sono, em pé, meio curvado, encostado na porta, forçando a vista debaixo de um poste de luz.
 Mas não havia jeito. As horas se passariam, e você a  cada momento perceberia, que mesmo o piscar dos olhos com sono, já davam tempo dele crescer um pouco mais e se curvar, cada vez mais para frente, em sua direção. "Continue olhando, continue olhando...", pensaria incessantemente.
 Já quase na alva, despertando de uma cochilada encostado com a cara na porta, você perceberia, com um grito, que havia dormido e agora sua face estava já muito perto da porta. Disforme. Esticada, e com aqueles olhos brilhantes, quase alcançando sua portinhola, se esticando como uma serpente.
 E neste momento, vindo da direção das suas costas, do fundo do quintal, o galo cantaria, COCOROCÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓ!!! Fazendo-o pular pra trás, gritando novamente!!! AAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!
 E voltaria capengando rapidamente para a porta, para ver finalmente que a criatura assustadora simplesmente sumira. Desaparecera sem deixar rastros. Nem mesmo um amassado no capim do poste, agora sob os primeiros raios do sol. Nada.
  Pierre me disse que isso teria acontecido com um primo distante, que ao contar a história a mãe , ficara sabendo que se ele tivesse saído pra tirar satisfação com o homem alto, o homem alto tiraria seu chapéu e mostraria chifres, se moveria da touceira de mato na sua direção, revelando os pés de bode, no lugar dos sapatos. Que ele era da banda do inferno, e te convidando deseducadamente, te levaria para lá com ele. Para que você se tornasse um homem alto, também.
 Sua mãe pediu pra ele pra rezá-lo, pra não acontecer mais.
 Ele se ajoelhou e recebeu a reza com arruda, pra fechar o corpo pro mau.
 A mãe era benzedeira e Pierre disse que era das boas. Que o curou quando teve uma espinhela caída, com reza e dois "Plásticos Sabiá". Eu ri.
 O tempo passou e eu me mudei de volta para o interior de São Paulo, vindo depois para Niterói, a mais de vinte anos.
 Antes de me mudar, tinha virado maconheiro, e a mãe do Pierre fez ele parar de andar comigo por isso.
 Fiz outras amizades no bairro , e nunca mais vi o Pierre, me mudei e nunca mais parei na igreja ou na esquina, pois esta havia ficado perigosa , e aquela chata.
 Mas ainda hoje, pensaria duas vezes antes de olhar numa portinhola de porta, se acordasse perto da meia noite. Acho que nem mesmo no olho mágico do corredor do apartamento. A menos que eu quisesse mesmo, me juntar de vez ao Homem Alto.

Lugar de fala

Eu sei,
Poeta egoísta,
Que você queria,
Que o teu poema
   fosse o único lugar de fala
                     da poesia.

Apê

Morar em apartamento é ter a sensação agradável
de morar entre uma caverna e um abismo.
Comemorar no abismo, e sair pela caverna,
são as vias de se viver.
Mas se comemorar na caverna e sair pelo abismo,
vira manchete de jornal,
Por suicídio.

Parte.

A sabedoria do músico está nas notas que não toca.
 A canção silenciosa já foi  composta.   Qualquer parte curta,
  Se repetida,
É referência.
 E só a ela.
 Qualquer parte longa,
 Plágio.
Homenagem não autorizada do subconsciente.
 Ou não é uma questão musical.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Feipacarai

Doença não dá em pedra, véi. .. 
Não tenha preconceito com as doenças não contagiosas de pele.
Quando eu era adolescente, eu era horrível em matemática. Me arrumaram um professor que era foda. Físico e matemático, recluso. De graça. Mas ele tinha uma mutação pele de peixe. Uma doença congênita que deixa a pele como que escamando. O cara conversou comigo e disse que me ensinava, pra minha mãe. Foi uma das primeiras pessoas que eu vi que quis investir sério na minha mente.
Mas eu era um idiota. Cresci vendo TV e ouvindo fofoca sobre quem era feio e quem era bonito. No desenho, o bandido é no mínimo feio.. . Fui abusado por uma mulher fora dos padrões de beleza, na infância. E depois disso colocaram uma menina linda pra cuidar de mim. Parecia um Barbie.
Não estou me justificando, mas tentando entender tudo que me levou a ser uma pessoa muito mais formatada, hipnotizada e corrompida, e por isso normal nas opiniões, que sou hoje, aos 40, que era ao chegar aos 15.
Idiota. Cheio de preconceitos. O ableísmo era só mais um.
Conclusão? Eu NÃO QUIS APRENDER COM O "GÊNIO FEIO"(L) e até hoje sou débil em matemática. Dificilmente serei astrônomo ou astrofísico, por isso. Mesmo com o QI alto. Pois me voltei para as palavras, as imagens e os sons, ao invés dos números.
Tudo porque não soube olhar para outra pessoa, mesmo sendo informado que "não pegava" e que professor era íntegro. Fiquei com nojo! (L) Com nojo de outro ser humano, pela minha própria ignorância e má educação, E NÃO PELA DOENÇA. 
Por gentileza. Nunca façam isso com outro ser humano, sim? NEM COM VCS. NINGUÉM MERECE SER PRECONCEITUOSO.
ISSO SIM É FEIPACARAI.. . Emoticon like 

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Raro Reconhecimento

A coisa do ser raro complica na medida de que a probabilidade de duas raridades estarem próximas ser muito baixa. E cada raridade decoberta, confirmada e localizada diminui muito a probabilidade de qualquer outra candidata a raridade ser verdadeira,  e também reduz o valor das velhas raridades próximas e reconhecidas,  tornando- as menos raras ou exclusivas . Diminuindo junto a possibilidade de fraude e especulação sobre o valor delas.
 E assim, é interessante para quem lucra com a fraude e a especulação dificultar o reconhecimento de qualquer coisa ou pessoa rara.
É o mundofudido escondendo e até destruindo raridades sem preço, por qualquer dinheiro. E reduzindo de fato seu valor onde importa: Na Sinceridade e na Honestidade de reconhecer o raro.. .

A conta (ou Poeminha Matinal Pobre)

Ser pobre no Brasil ,
É saber a diferença entre Pilão e Pelé.
Saber que é de quatro reais,
 E que se trata de café.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

PARE DE FUGIR

Viva sua vida de maneira que nunca precise fugir, mesmo que seja em constante movimento.

O câncer

O câncer é uma unidade útil, parte de um órgão ou sistema num corpo, que repentinamente sofre uma mutação que a leva a três características básicas:
 O câncer pára de fazer o que fazia de útil.
 O câncer perde a capacidade de morrer, deixando de fazer o que agora faz.
 O câncer se reproduz e se dissemina, se multiplicando, e também tornando outras células cancerosas por contaminação..
 Seguindo essa três características, o organismo paulatinamente se debilita, deixando de possuir suas funções uma por uma. Sejam mobilidade, absorção e evacuação de alimentos, proteção epidérmica, processamentos de gases, equilíbrio do raciocínio, etc ect. até que atinge as funções vitais e o corpo colapsa em óbito. Sendo somente aí que as células cancerosas morrem e param.
 Quando uma célula se torna cancerosa, lhe resta ser curada e ou morta, e retirada do organismo original, e isso deve ser feito imediatamente, para a preservação das funções do corpo, e para que encontrem a morte celular digna, ao invés de uma história final de destruição, sofrimento, e inevitál e deveras apressada morte de todo seu corpo.
 Matar uma célula cancerosa que não pode ser curada, é um benefício impreterível para o corpo, e um ato de profunda misericórdia para com a dignidade da menor porção da vida.
 O câncer tem cura.
 Se suspeitar de ter um câncer, procure um médico.
 Se descobrir que é uma célula cancerosa, sinto muito. Espero que após ser descoberto te curem logo, e após e retirado, que descanse, igualmente rápido, e em paz.
 Nada pessoal.
 Até que se encontre uma função para uma célula cancerosa, ou uma forma segura de manter no corpo uma célula curada, é que se pode fazer.

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Confusão

Quando você me confunde com minhas doenças
                                                               e até parasitas
Confundo nós com laços
 Confundo você com eles
 Confundo esperança com suicídio
 Vida com presídio
  Cio com vazio
  Cedo com medo

  Licença
Vou ali olha para onde apontava seu dedo
Não
 Com isso nem me pareço
Esqueça
 Esse é meu mal
 Não eu
 Aqui essa pessoa nunca existiu
 Isso é imagem de uma crise
 Uma dor
 Que você deveria
 Mas não sentiu
 O grito
 Diferente do mito
 É sintoma
 De coração e cabeça
 Sem freio
 Não sabia?
 Não foi para isso que afinal veio?
 Por que o desamparo?
 Não foi tudo explicado antes?
 Limpo e claro?
 Papel e testemunha
 A fama e a alcunha
 Dizia em letras grandes
POBRE E DOENTE PARA CUIDAR, INTELIGENTE E BONITO.
 FORA ISSO , ÓTIMA PESSOA.
 Não era a pessoa que importava?
 Não enfrentou-se até o dragão?
 E agora que tens o reino, o poder e a glória,
                                       a princesa envelhecida e pesada quer jogar fora?
 Não sabichão
 Não desapareça
 Não me largue como um velho e preterido trono
                            a quem por um reino melhor e mais verde,
 Deixou no abandono

 Mataste um dragão
 E tomaste para si um reino
 Isso é sem dúvida.
 Mas de aviso de ante-mão
  Não importa o que aconteça
 Se encontra-se esta princesa
 Por aí pela rua,
 Talvez abusada, embriagada e semi nua
 Responderás aos magistrados
 Do povo serás odiado
 E te lembrarás do preço e do contrato
 E de quando trouxe todo teu aparato
                                               para esta região
 E terás pra sempre a pergunta
                                   no interior do crânio
 como uma dobradiça que range atacada numa porta:
 Não era melhor o dragão?
 Desprezei injustamente uma princesa?
 Pisei em um coração
 E agora , será que está morta?

 Confundi um doente com sua doença
 E lhe impus essa crença
                        que viver doente é ser vão
 Por que, ó raios, não o tratei como doente
                                               pensando que era outro sabichão?
 Porque é que vim de tão longe para tratar mal um louco monge?

 E no fim terás a resposta vinda do seu coração
 Só me lembro que ele me amava
 Em crise ou não
 Nada restando de um mito.
 Com choro, tremor e grito
 Gritava SOCORRO,  e não maldição
 Me oferecia perdão, conforto, carinho e sexo.
 Não me confundia com minha aflição
 Exceto que eu, eu meio a não querer ver
 O confundia com sua crise sem nexo

 Sim , hás admitir;
 Tudo estava a posto
 O louco, louco, e o sábio, sumia
 Como era do meu gosto
                    (e só eu não percebia)
Ele era minha mãe e meu pai,
meu filho e meu esposo.

 "Era feliz e não sabia"
 -Sim,
 Fui eu que fiz a confusão
 Fim
(sinceramente, espero que não acabe assim)

Seu nome não era Mário

Ela trabalhava a muito tempo no baixo meretrício de São Gonçalo. Não conhecia o que era a dita "vida fácil", era puta desde novinha, por ter sido adotada pela cafetina local. Foi criança o quanto pôde e o quanto deixaram, não uma infância normal, mas aquela infância confusa de criança de puteiro, filha de todas e de obviamente de nenhum. Se filho da puta tem pouca chance,  a filha, praticamente se torna puta de berço, quase como uma mediunidade, ou como ela via, uma maldição.
 Continua...

Confissão( ou Eu sou eu mesmo e não me envergonho do que não posso mudar , ou é responsabilidade e deveria ser vergonha alheia)

Me acho simpático por fora e estranho por dentro, mas não sou feio em nenhum lugar da minha consciência. E isso já é mais que uma cambada de Mundofudocos que poluem e destroem e maltratam o planeta e todos os animais mais vulneráveis que a si mesmo.
Esse é meu sucesso! Não aceitar ficar feio. Mudar 500 vezes de atitude se preciso for, pra ficar bonito.
 Ser mais humilde, sair menos e até nunca, sair mais, comer plantas, comer mais, esquecer paranóias inúteis, não condenar o desequilíbrio alheio, não perder meu tênue equilíbrio, não me matar, me comprometer com meu coração, ser pacífico e paciente, aprender sua língua,  descobrir meu problema, te ajudar com o seu para não ser um negligente, ter mais e muita cultura, exprimir beleza e honra na hora do aperto, prender a respiração, andar de bicicleta e a pé, ser sincero e honesto já que não consigo estar calmo e calado, transar menos, transar mais, transar de camisinha, não transar. Queria muito não gritar, mas não tenho os malditos freios de impulso, então grito por ajuda
a você que está perto, a oportunidade é sua,

 Não seja feio comigo,
Isso é toda ajuda
que preciso para ser belo. Como sua sombra
que só faz o que você fizer com ela.
 Como o espelho,
que não deveria te surpreender,
pois apenas o seu reflexo
 de auto cuidado ou abandono
 lhe revela.

Pior( Pequena Ode ao Mundofudido e os Mundofudocos)

Pior sensação do mundo,
 é a de ser abandonável,
 e descobrir isso no abandono,
 ao ver as costas do abandonador,
 que deveria estar te cuidando,
 te abandonando
                e te tornando num abandonado.
 Você daria qualquer coisa para não ver isso,
                                                           não ser isso.
 Menos, se tornar também num abandonador de abandonáveis!
    Nunca aprender a dar as costas antes!

 Pois esta é a única coisa pior.

( Homenagem a Wigberto e a toda a sociedade.)

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Zika. Gol de placa. No ângulo. (Post do face sim :p )

Eu sei que é tenso. Que microencefalia e foda. Que nenhuma mulher quer engravidar fora de hora, muito menos quando isso dá zika no neném. E isso tudo é horrível.
Mas por outro lado, é engraçado ver um inseto voador e sugador de sangue, músico, persistente, chato, e até hoje invencível,  colocar em cheque todo o sistema religioso machista, baseado na gestação forçada pela proibição do aborto.
 E ainda por cima teremos as "mães heroínas católicas" logo logo em cena, trazendo uma multidão de bebês microcéfalos e sobreviventes (alguns se tornando exemplos de sucesso, e outros engrossando o caldo dos abandonados nas clínicas e ruas :( ).
A menos que a própria igreja católica decrete a liberdade para abortar,  nessa emergência. Ou que o estado o faça. Ou que a indústria farmacêutica crie uma solução panaceística contra 3 doenças de uma vez, algumas depois de décadas.
Mas aí eu dou risada mesmo.. . #deboas.
 O mosquito arrebentou a boca do balão, e pode conseguir liberar direitos, destruir tabus, e evoluir valores humanos. #valeumosquito! #mundofeliz #DULEEEEY
 #opoderédevcs. ..
Se no #mundofudido so evoluem quando se fodem.. . #quesefodase... :p

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Tá certo ou tá errado, mas é a mesma coisa. ( ou : Num fode. ..)

PRIMEIRO ENSINAM QUE ARROTAR E NECESSÁRIO E PEIDAR É ENGRAÇADO.  DEPOIS TE BATEM SE FIZER EM PÚBLICO,  E POR FIM TE COLOCAM NUM CANTO. CULPADO POR NÃO APRENDER A DESAPRENDER EM PÚBLICO... "FULANO É UM PEIDÃO E PORCO" "SEMPRE FOI ASSIM"
NEM PARECE QUE LHE BATIAM NAS COSTAS PRA ARROTAR E FESTEJAVAM SEUS PEIDOS COMO SEU RISO...
 E VC VAI TER SUCESSO SE APRENDER A ARROTAR E PEIDAR BAIXO ( E A CULPAR OUTROS,  NO ÚLTIMO CASO)
E ISSO PORQUE EU NEM FALEI QUE DEPOIS QUE TU FINALMENTE APRENDE A ARROTAR E PEIDAR, TE ACORDAM PRA VER SE VC ESTAVA DORMINDO , NO MEIO DA NOITE  /O\ ( POR NOIAREM QUE VC ESTAVA MORTO)
E TE FORÇAM A DORMIR QUANDO VC NÃO QUER POT LONGOS ANOS.  ATÉ QUE CHEGUE A IDADE EM QUE SE VC DORMIR DEMAIS,  É PROBLEMA,  E SE DORMIR DE MENOS, TBM.
E AÍ VC NUNCA ESTÁ ACORDADO QUANDO QUER, NEM PODE DORMIR QUANDO TEM SONO. E NINGUÉM LIGA SE VC MORRER DOMINDO, POIS AGORA ISSO SERIA BOM PRA VC.
 MAS NO FIM ISSO SÓ MOSTRA O QUANTO ERA RUIM O AMOR DELES. QUE SO TE AMAVAM QUANDO VC TINHA FUTURO E NÃO  TINHA PASSADO.
TERRENO ONDE CRESCEM AS ESPECTATIVAS,  PROJEÇÕES, E CERTO, FUTURAS DECEPÇÕES.
 AÍ, MORRA DORMINDO.
MORRA DORMINDO, DIABO,
QUE NÃO DORMIU SEM FAZER UMA MALDADE.
MORRE, QUE TU SÓ ERA BOM DORMINDO OU UM POUCO ANTES.
MORRE ANTES DE ACORDAR E SE OLHAR NO ESPELHO DE NOVO. QUE É MAIS DO QUE MERECES. DEVIAD É SOFRE A VOCÊ MESMO ETERNAMENTE.
NEM A MORTE QUIS TE ENCONTRAR ACORDADO.
 AÍ. TE SORRIEM DE MANHÃ, MAS SERIA MAIS SINCERA A LÁGRIMA SOBRE O CADÁVER QUE NÃO ACORDOU. "FOI DORMIR E ACORDOU MORTO."
 "TADINHO".
"PELO MENOS NÃO SOFREU".
NINGUÉM LHE DISSE ADEUS , MAS BOA NOITE.
 BOA MORTE! (MESMO QUE NEM ASSIM ISSO SE DESEJE A OUTRO,  OU A SI. MORTE NÃO SE DESEJA. PONTO)
MORREU  CALADO E PARADO! UM EXEMPLO!
VÃO SE FUDER...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Gratidão e confiança.

Não confio em nada que não seja grato.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Ser Quântico

Já que o "ser" se tornou outra espécie de ter, melhor não ser, ainda que seja.
 Ser e não ser.
Ser Quântico.