Loading...

quarta-feira, 30 de março de 2011

Linguagem figurada sobre conceito desprovido de forma.

-Amor, por que você medita tanto?
-Tento atingir um momento em que meu pensamento pare.
-E para quê?
-Para sentir o estado de não pensar, de apenas sentir e assim perceber a grandeza do nada.
-Que coisa bonita, amor!!!
-Podemos fazer isso juntos?
- Claro!
Ela então se senta sobre ele, ainda de olhos fechados e pernas cruzadas, e lhe beija profundamente, sentindo o calor do seu corpo pelo exercício mental que fazia.
Sente seu vigor sob si, e gemendo, suspira:
-Ain!!! O nada é tudo!!!
Nem sabe que usou uma linguagem figurada para um conceito desprovido de forma, de forma paradoxal.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Milhão

Essa é história de um retirante analfabeto que ao chegar na cidade grande vê as pessoas amontoadas numa banca de jornal e pergunta o que está escrito ali.
O rapaz da frente, que estava mais preocupado com o futebol , passou o olho na Manchete e disse que um artista havia ganho um milhão para falar poemas.
Então o retirante resolveu fazer um versinho pra esse milhão.


Um milhão na minha mão,
ai que tentação!
Cumê tudo sozinho,
ou dividi com os irmão.
Eu debuiava ele todo
e fazia uma prantação.

terça-feira, 15 de março de 2011

Quem vê acha, mas o cego sabe.

Um amigo certa vez estava narrando um show de ilusionismo pra um defeciente visual.
-ele tirou um lenço do bolso.
-sacudiu o lenço.
- o lenço virou um pombo!!!
e o cego:
- que nada, o pombo estava no bolso dele.
-...
-agora ele pôs uma cartola na mesa.
-bateu com a varinha na cartola.
- tirou um coelho da cartola!!!
de novo:
- porra, o coelho tava num fundo falso embaixo da mesa. disse já levantando
para partir.
Pensou de novo no que viu. Viu que o cego tinha razão e perguntou como ele sabia.
-eu não sabia da cartola, da varinha e nem do lenço, mas estranhei quando ouvi o som de um coelho numa gaveta e de um pombo no bolso.
As vezes o ouvir e o falar de um cego é mais acurado que o olho distraído do que vê.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Quando o carrossel quebra.

Quando o carrossel quebra.
O dono xinga.
A criança chora.
O palhaço continua rindo.
Os pais e avós lamentam.
O bilheteiro se desespera acudindo.
Todo mundo vai embora.
E enquanto o padre,
Ainda em sua igreja, ora.
E um casal alhures, alheio a tudo namora,
Chega o carro,
E pais e crianças vão
Em imediato embarque.
Os pais consolam os filhos:
-Sabemos onde há outro parque.
E enquanto discutem,
O biólogo e o astrônomo,
Sore o mar e sobre o céu.
Na cabeça do fabricante
Permanesce a pergunta:
-Quem quebrou o meu brinquedo?
-Farei dessa vez uma roda gigante,
Ou novamente um carrossel?

quinta-feira, 10 de março de 2011

SOBRE AS TREVAS E A LUZ

A luz não busca a luz nem a nada quer iluminar. Ela se move e ilumina seu próprio caminho, que faz segundo a Lei, as trevas nada buscam obscurecer e nem se movem, pois estão em seu lugar pela mesma Lei, e apenas cumprem seu tempo seja ele eterno ou sucinto.
Só aqueles que ainda estão entre a luz e as trevas buscam por uma ou por outra, fugindo do que pensam ser seus opostos e buscando o que pensam ser seus semelhantes. Nestes não se faz presente a liberdade da Lei. A luz é. A treva está. E ambas dançam o devir conjuntamente.

SINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMO

SINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMOSINTOMUITOEUTEAMO

terça-feira, 8 de março de 2011

O homem de pedra

Um dia eu comi muitos cogumelos e fui pra cachoeira. Isso é muito desaconselhável , pois o encanto da água é muito mais forte quando sob efeito de enteógenos, a pessoa pode não resistir e se afogar.
Quando cheguei lá, comecei a ter mirações enquanto olhava para as pedras da cachoeira. de repente eu o vi. O homem de pedra, encostado na cacheira e coberto de limo por todo o corpo. e começamos a conversar mentalmente. ele me contou que no começo não era de pedra , mas era na verdade como nós, feitos de energia mas que um dia ele tocou nas pedras da cacheira, e sentir o frio e a textura daquelas pedras foi tão bom que ele foi ficando ali.
afagando a pedra, bem devagar pra sentir a energia que emanava dela e a humidade que passava da pedra para ele. cada vez ele afagava a pedra mais devagar e se sentia mais como elas até que seus movimentos se tornaram tão lentos e seu corpo tão frio e rígido com o frio, que ele se tornou pedra.
e não só isso, ele se fundiu com elas definitivamente. e se tornou parte da pedras que estão por todo o planeta.
entendi então que não fui eu que o vi. foi ele que se revelou para mim. quis minha amizade. nos amamos com um amor que eu nunca conheci , com uma aceitação que é raríssima entre os humanos que não são de pedra .
naquele dia eu percebi que a pedra, a cachoeira e o planeta todo estamos vivos. que somos um só. e que a imobilidade é uma ilusão. tudo está se movendo, todo o tempo. minha mente se desacelerou tanto que eu pude ver ele acariciar a pedra.
Tinha outra pessoa perto de mim que também tinha comido cogumelos, e ao mostrar pra ele o homem de pedra também conseguiu vê-lo. mas levou tudo aquilo como onda de cogu. e voltou pra detrás do véu.
Eu nunca mais voltei a falar nisso. Até hoje quando chego perto das pedras da natureza ele acena pra mim, sem a necessidade de  que eu coma cogumelos pra isso. mas como sabe que ninguém mais vai acreditá-lo e respeitar sua existência. Não se revela mais pra quem está perto . Só eu o vejo. Eu também já não tento ficar mostrando a realidade das coisas para as pessoas. elas que abram seus olhos e enxerguem o que puderem , mas sempre lutarei para que as pedras seja preservadas como escolheram viver, em seu reino mineral.
Nunca contei isso pra ninguém antes, exceto para aquele meu amigo que estava lá, mas acho que agora é uma boa hora.
Mundofeliz onde tudo é humano, tudo.
e também feliz.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Feminina memória

Minha memória é feminina.
Ela ri,
chora,
se fere,
sangra,
e se ferida custa a cicatrizar.
Ela pode ser seduzida pelas palavras,
e guardar por toda vida a memória de um toque.
Ela pode gerar filhos,
expressão da minha arte.
E pode dançar,
coladinho,
com meus masculinos pensametos.
Ela perdoa, mas jamais esquece,
ainda que possa mudar o olhar sobre suas cicatrizes,
e chorar de alegria,
só por compreender o que um dia a fez chorar de dor.
E ela está aprisionada,
Entre o pensameto que é uma cortante espada,
e arte que, sem esforço, exala
seu feminino e inebriante perfume de flor.

Eu Já.

Já estive no banco e no púlipito de uma igreja.
Numa cela de cadeia e num quarto de sanatório.
Num banco de classe e na frente de um quadro negro.
No público e no palco.
Já fui militar e hippie de estrada.
Já sonhei acordado e estive consciente num sonho.
Já amei sem ser amado e fui amado sem amar.
Ja gritei pra ninguém e ouvi o silêncio dos quem estava ao meu lado.
Já desenhei na água e li no fogo.
Já segui os instintos humanos e pensei como um irracional.
Já fui ateu e espiritualista.
Já vi o mundo de dentro e de fora.
Já conversei com estrelas e não entendi pessoas.
Eu já. eu, já. já, eu?  já? eu...
O que é que eu sei da vida?
Nada sei.
Mas já soube, e já sabia...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Na encruzilhada de uma teia.

 Quando todos os caminhos se cruzaram
 E percebi que eram todos um só,
 Mas indo pra várias direções.
 Decidi que melhor que ensinar a seguir caminhos,
 Seria criar suas ligações.
 E assim surgiram novos caminhos,
 Configurando a teia que se formou.
 Já não importa qual a direção.
 Se quem saiu na minha  frente
 Atrás de mim voltou.
 A terra é elíptica.
 A mentira é mítica
 Os caminhos são falsos como quem os criou.
 De Verdade,
 Só a encruzilhada  me restou.